Gostou? Compartilhe!

domingo, 2 de março de 2014

Dinâmica: E se eu fosse uma aranha....?

Olá, amigos! Como vão os planos de aula?
Carnaval e muitos jovens encontram-se na COMEERJ (Confraternização das Mocidades Espíritas do Rio de Janeiro) ou em núcleos do ENEFE refletindo sobre a fé ativa!

E pensando sobre o fato de tanta gente curtir o feriado com pessoas da mesma fé foi que me lembrei de uma aula dada há algum tempo cujo desafio era mostrar aos evangelizandos que a Casa Espírita também pode ser um local para se estabelecer amizades e construir afinidades. 

Quebrei a cabeça (literalmente!) e arranjei um jeito em fazer um link entre o texto evangélico " PARENTELA ESPIRITUAL E PARENTELA CORPORAL do Evangelho Segundo o Espiritismo -  CAP XIV" com o tema.

Um dos maiores problemas do jovem é encontrar um núcleo que o aceite. É interessante fazê-los pensar que muitas vezes sofremos para sermos aceitos nos grupos escolares ou universitários e a realidade é que, por pensarmos diferente ou agirmos fora do esperado, não seremos aceitos. No entanto, a Casa Espírita oferece uma oportunidade única. Quantos jovens não estão ali, no núcleo da Mocidade, com os mesmos ideais e não conseguimos reconhecer como um grupo que possa tornar-se uma família espiritual?

Minha maior vontade (na época) era dar a eles a possibilidade de construir na Casa Espírita um grupo que pudesse oferecer apoio mútuo para enfrentar a realidade do mundo, onde os valores são, muitas vezes, invertidos. 
Ali, eles poderiam discutir, sem anseios, os desafios de ser um jovem espírita e encontrar outros na mesma situação. Aurir forças para seguir e perceber o que é " estar no mundo, sem ser do mundo."

Soube que o objetivo tinha sido alcançado quando um jovem ao relatar a sua experiência de vida era rapidamente seguido pelas murmúrios  "Eu também passo por isso!" E então, o canal estava aberto para a troca. 

AULA - Parentela Espiritual X Parentela Corporal: A Casa Espírita pode ser um grupo?

Faixa etária: pré-adolescentes e juventude.

Objetivo primário : Falar dos laços do espírito. Enfatizar a Mocidade Espírita/ Casa Espírita como uma família ligada por espíritos dentro do mesmo ideal e que compartilham as mesmas experiências. Demonstrar que, se não encontramos pessoas no mundo que nos valorizem é preciso olhar para um outro núcleo, gastar mais tempo para conhecê-lo. Às vezes valorizamos pessoas que não podem entender nossos anseios por não terem passado pelas mesmas experiências de vida. É preciso compreendê-las, aceitá-las e buscar laços afetivos com outros núcleos de pessoas que estejam coadunadas com nosso perfil.

Objetivo secundário: Demonstrar que não somos únicos no mundo que sofrem por problemas de exclusão.  Se reclamo porque os outros não me acolhem, será que eu acolho as pessoas que são novas e/ ou diferentes de mim? Será que eu permito que os outros me conheçam? Como me sinto quando me deparo com um grupo de pessoas novas? É chato? Quantas vezes acolhi alguém que percebi que estava sozinho, isolado? Como eu sou quando faço parte de um grupo? Será que eu também já excluí alguém?
 
FOCO DA AULA – ESE CAP. XIV: PARENTELA ESPIRITAL E CORPORAL: QUEM É MINHA MÃE E QUEM SÃO OS MEUS IRMÃOS?

Jesus precisou aí a diferença entre a parentela espiritual e a parentela corporal.
A segunda é, por vezes, efêmera. “Os laços de sangue não criam os liames entre os espíritos.  Os que encarnam em uma família são, as mais das vezes, espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações. Mas, também pode acontecer sejam completamente estranhos uns aos outros estes espíritos. Não são os da consangüinidade os verdadeiros laços de família e sim o de simpatia e comunhão de idéias, os quais prendem os espíritos antes, durante e depois de suas reencarnações.”
“Formam famílias os Espíritos que a analogia dos gostos, a identidade do progresso moral e a afeição induzem a reunir-se. (...) Mas, como não lhes cumpre trabalhar apenas para si, permite Deus que Espíritos menos adiantados encarnem entre eles, a fim de receberem conselhos e bons exemplos a bem de seu progresso. Esses espíritos se tornam, por vezes, causa de perturbação no meio daqueles outros, o que constitui para estes a prova e a tarefa a desempenhar.
Acolhei-os, portanto, como irmãos; auxiliai-os, e depois, no mundo dos Espíritos, a família se felicitará por haver salvo alguns náufragos que, a seu turno, poderão salvar outros.” – Santo Agostinho.

COMO CONDUZIR A AULA? Questionamentos. O objetivo é abrir espaço para que o jovem fale. Você pode começar com a dinâmica ou distribuindo os evangelhos e pedindo para que os jovens leiam a parte em questão. 

DINÂMICA -  SE EU FOSSE UMA ARANHA EU ESTARIA...

1. Distribuir para o jovem uma folha com três esquemas de planta de uma casa que representem: SEU LAR, SEU COLÉGIO/TRABALHO E A CASA ESPÍRITA. 
A única planta que deve estar completa é a da casa Espírita. Eles completarão as demais com o estilo de casa/ colégio  que possuírem ou freqüentarem. 

2. O Evangelizador deve pedir que se imaginem como uma pequena aranha. Onde eles criariam a sua teia em Casa? Na Casa Espírita? No colégio?

3. Observar os resultados e a partir daí discutir como eles se sentem em cada um destes ambientes e porque escolheram estes locais para montarem suas teias.

4. Fazer um parâmetro com a aula. Ora, eu estou no colégio por uma necessidade, mas ali eu posso não ter simpatia real. Estou ali por uma necessidade de aprendizado. Da mesma forma funciona com a parentela corporal, espíritos que não necessariamente são simpáticos e que se encontram unidos para resgatar dívidas. Eles estão presos por dívidas e erros que pode redundar em simpatia ou não. Resgatada a dívida, cada um tomará o seu rumo e aquele laço se extingue.

E a Casa Espírita? Porque eu freqüento a Casa Espírita? Consolo, conhecimento? Mas, a Casa Espírita representa a união de pessoas que compartilham de uma forma ou de outra do mesmo ideal. Somos simpáticos por sermos espíritas, compartilharmos da mesma crença. Eu considero a Casa Espírita/ Mocidade Espírita um núcleo importante na minha vida? Se não, será que estou realmente aproveitando a oportunidade de conhecer as pessoas que compartilham daquele local? Se sou obrigado a estar na Casa/ Mocidade Espírita, será que não posso tirar o melhor daquele ambiente? 

Naturalmente, você conhecerá um pouco mais sobre o seu evangelizando após essa aula e eles também passarão a conhecer melhor os amigos de Mocidade.

Anexos:
Evangelizador - Lembre-se de desenhar a planta baixa da Casa Espírita a partir do retângulo de base do anexo. Depois disso, é só você fotocopiar. A planta baixa deve ser simples, apenas com os nomes das salas e indicações de entrada e saída. Nada complexo.
Caso você tenha dúvidas do que é uma planta baixa, veja aqui: PLANTA BAIXA



Basta copiar e colar em sua máquina e depois, imprimir.

Ps. Queridos amigos! Percebo que há alguns blogs copiando as atividades do Arte de Ir Mais Além (inclusive o meu texto de postagem!). Fico muito feliz, pois a ideia é de que possamos compartilhar as informações!COMPARTILHAR não é COPIAR, por isso, por favor, não esqueçam de dar os devidos créditos. É uma forma de reconhecer o trabalho de quem idealiza e gasta tempo para tornar a atividade mais fácil de ser aplicada e economizar o tempo dos demais evangelizadores! Por isso, assino as atividades com o selo do blog. Onde há o selo, significa dizer que a autoria é do Arte de Ir Mais Além e não desconhecida, sim? =) Obrigada! Procuro fazer o mesmo com toda a atividade que chega até mim e originalmente não se trata de uma ideia minha.  

5 comentários:

  1. gostei muito das idéias. parabéns e obrigada por compartilhar!

    ResponderExcluir
  2. Fique à vontade, Pedro! Eu que agradeço o seu recadinho e visita! Sempre que quiser, venha nos visitar!

    ResponderExcluir
  3. Adorei a aula e parabenizo pelo esforço para levar um pouco mais de conhecimentos para as pessoas, inclusive pra mim. Abraços fraternos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, "Desconhecido"! Que bom que o ajudou de alguma forma! Um abraço!

      Excluir
  4. Vou copiar. Muito bom!

    ResponderExcluir